Gota por Gota – Descontaminação

Destaque para a participação da OXI Ambiental na matéria da Folha de São Paulo sobre a estiagem e a demanda por empresas de descontaminação.

TEMPORAIS OBRIGAM EMPRESAS DE ECONOMIA DE ÁGUA A SE RENOVAR

A pior estiagem já enfrentada em São Paulo, em 2014 e 2015, deixou milhares de moradores com as torneiras secas. Por outro lado, ajudou a impulsionar o crescimento de empresas que oferecem soluções para a economia de água, como sistemas de reúso e descontaminação.

Hoje, com a região metropolitana passando pelo dilema inverso -janeiro de 2017 foi o quarto mais chuvoso em 75 anos-, o maior desafio desses negócios é provar que o uso racional da água veio para ficar e que gera benefícios ambientais.

“Há grande espaço para esse mercado, porque o problema não está solucionado”, diz o engenheiro Vladimir Borges de Souza, presidente da Associação Brasileira de Recursos Hídricos (ABRH).

Segundo ele, mesmo que o governo faça a sua parte, ampliando a capacidade de abastecimento e eliminando as perdas no sistema, a demanda precisa diminuir.

“Este ano está chuvoso, mas o próximo pode ter uma nova estiagem. A sociedade vai ter que se preparar de uma maneira mais robusta”, diz.

FORÇA DA LEI

A crise hídrica também foi responsável pelo aumento da fiscalização relacionada à poluição das águas pela indústria, o que intensificou a demanda de trabalho de empresas de descontaminação, como a Oxi Ambiental.

Criada em 2011 pelo químico Juliano Andrade e seu sócio, Ricardo Gonçalves, a start-up usa tecnologia própria para avaliar o problema e produzir o “remédio” adequado para ele.

Seus maiores clientes são as indústrias químicas que precisam adequar suas práticas à lei. Então, contratam a empresa para resolver o dano gerado por anos de descaso ambiental.

Visto como um negócio promissor, a Oxi recebeu em 2016 um aporte de mais de R$ 3 milhões do Fip Inseed Fima (Fundo de Inovação em Meio Ambiente), ligado ao BNDES.

Com isso, aumentou a equipe de quatro para nove pessoas e investiu na construção de um segundo laboratório. “Esperamos um faturamento de R$ 15 milhões em cinco anos”, afirma Andrade.*

GOTA POR GOTA

Descontaminação

Há vários métodos no mercado. O desenvolvido pela start-up Oxi Ambiental produz uma espécie de “remédio manipulado” para cada tipo de contaminação de águas. Trata-se de uma reação química que não gera subprodutos. Os maiores clientes são indústrias químicas e petroquímicas.

FONTE:  http://www1.folha.uol.com.br/sobretudo/negocios/2017/02/1857755-temporais-obrigam-empresas-de-economia-de-agua-a-se-renovar.shtml

Assine nossa Newsletter!

Fique por dentro!